O esporte e a furosemida

with 6 comments

Na semana passada três nadadores brasileiros, incluindo o campeão olímpico Cesar Cielo, foram julgados por doping pelo uso do diurético Furosemida durante o troféu Maria Lenk em maio deste ano. Anteriormente outros atletas brasileiros já haviam sido punidos pelo uso do diurético, como a ginasta Dayane dos Santos, o goleiro Rene do Bahia, a triatleta Mariana Ohata, entre outros.

A palavra doping é provavelmente derivada do Holandês “dop”, nome de uma bebida alcoólica feita das cascas de uvas usadas por guerreiros Zulus para aumentar seu desempenho durante as batalhas. O termo se tornou corrente a partir do século XX, tendo seu uso originalmente atribuído ao uso ilegal de drogas em cavalos de corrida. Porém a prática de se usar substâncias para aumentar o desempenho em uma competição é tão antigo quanto as próprias modalidades esportivas. Os gregos antigos são conhecidos por terem usado diversas dietas e poções estimulantes para melhorarem seu desempenho. Cafeína, estricnina, cocaína e álcool foram utilizados de maneira comum entre ciclistas e outros atletas durante o século XIX. Thomas Hicks correu e ganhou a maratona das olimpíadas de 1904 em Saint Louis com a ajuda de ovos, estricnina e doses de conhaque administradas durante a corrida. Foi somente por volta de 1920 que se tornou evidente a necessidade de restrições ao uso de drogas no esporte. Em 1928, a associação internacional de atletismo foi a primeira federação internacional de esporte a banir o doping, porem muitas outras persistiram por muito tempo sem realizar testes efetivos em busca de substâncias usadas para o doping. A morte do ciclista Knud Enemark Jensen durante os jogos olímpicos de 1960 em Roma pelo uso de anfetaminas aumentou a pressão para as autoridades esportivas introduzirem a testagem para drogas.

Após diversos escândalos ocorridos nas olímpiadas de 1998 1988 (correção feita pelo Rodrigo nos comentários) as associações internacionais de esporte e os comitês organizadores de eventos esportivos se uniram em uma convenção mundial para discutir o doping no esporte. Deste evento iniciou-se o processo que possibilitou a criação da WADA (World Anti-Doping Agency’s), uma agência privada internacional e independente fundada na Suíça com sede no Canadá que fiscaliza o uso de doping em todos os esportes no mundo. Além de monitorar o uso de doping no mundo, a WADA também promove outras atividades como pesquisa científica e educação a respeito do uso de doping no esporte.

A WADA periodicamente libera uma lista de substâncias banidas do esporte, que de alguma maneira prejudicam a saúde do atleta, lhe dão vantagens competitivas desproporcionais ou mascaram essas substâncias. Entre as substâncias proibidas estão os diuréticos como aqueles flagrados recentemente nos atletas brasileiros da natação.

Os diuréticos são um grupo de fármacos voltados para o aumento do fluxo urinário e a excreção de sódio, sendo utilizados para ajustar o volume e/ou a composição dos líquidos corporais em várias situações como na hipertensão, insuficiência cardíaca, insuficiência renal, síndrome nefrótica e cirrose. Dentre os fármacos diuréticos há a classe dos chamados “diuréticos de alça”, no qual a furosemida faz parte. Esta classe de diuréticos é assim conhecida por atuar em um ponto específico do néfron nos rins, a alça de Henle, promovendo o bloqueio do transporte de alguns íons (Na+, K+ e 2Cl-) e por conseguinte aumentando a diurese.

Além dos usos citados anteriormente a furosemida também pode ser utilizada em algumas situações, como na indução da diurese forçada com objetivo de facilitar a eliminação renal mais rápida de um fármaco ofensor. E este é um dos motivos pelos quais alguns atletas se utilizam da furosemida, sendo que nestes casos o fármaco ofensor é alguma substância que daria alguma vantagem competitiva ao atleta. Assim, ao passar pelo exame anti-doping, tal substância não seria detectada. Outra justificativa para o uso do fármaco entre os atletas é para perda de peso à custa de água. A furosemida apesar de não ser um emagrecedor provoca perda temporária de peso por causar uma maior eliminação de líquido do corpo. Desta maneira, em competições divididas em classes orientadas pelo peso do atleta, com o uso da furosemida um esportista poderia participar de classes “mais leves” ao usa-la próximo ao dia da pesagem oficial. Uma vantagem competitiva principalmente nos esportes de luta.

Assim, seja para resguardar a saúde dos atletas de alto desempenho como para garantir condições mais justas nas competições, o uso do doping é bastante controlado. É sempre com muito pesar que recebemos notícias do uso de substâncias ilegais no esporte, afinal os atletas sempre são usados como exemplos de dedicação e superação e o uso do doping sempre nos dá a sensação de atalhos e trapaça. Vale ressaltar que é muito difícil estabelecer os limites do doping e as substâncias utilizadas nos primeiros anos de preparação muitas vezes não podem mais serem detectadas. Dentro toda essa longa discussão algo que não pode ser deixado de lado é o fator saúde, histórias como a do ciclista Knud Enemark Jensen em 1960 e outras recentes similares não podem vir a se repetir.

Posts relacionados:

  • Rodrigo
    Cara, sou leitor assídou do blog. é realmente muito bom. Só um adendo: A WADA foi criada como repercussão das Olimpíadas em 88 e não 98 (deve ter sido erro de digitação, anyway).

    Abraço!

    • Rafael Pivovar
      Olá Rodrigo, obrigado pela correção. Na verdade não foi erro de digitação, mas sim confusão com as datas. Os escandalos ocorreram nas olimpiadas de 88 como você disse, mas a WADA foi oficializada somente em 99. Vou arrumar o texto. Valeu!
  • http://br.consultaclick.com/ ConsultaClick
    Somos leitores de seu blog e ficaríamos muito felizes se conhecesse o nosso (consultaclick.com.br/blog).Ele faz parte de um grande portal de agendamento online de consultas.
    Também gostaríamos de colocar o link de seu blog em nosso blogroll. Por favor, nos diga se isso é possível.
    Um grande abraço,
    Equipe Consulta Click Brasil
    • Rafael Pivovar
      Olá, conheci e gostei o blog de vocês. Irá fazer parte das minhas leituras. Ficarei feliz em fazer parte do seu blogroll. Abraço!
  • eric
    curti, muito interessante o texto
  • felipe
    quanto tempo demora pra sair do sangue ou da urina??